Homofobia Basta!

 

  Em entrevista à revista gay “Junior” de agosto, Rodrigo Andrade, o Eduardo de “Insensato Coração”, fala sobre a experiência de interpretar um homossexual assumido e comenta os casos de agressão a gays. “Tive um primo que era gay e foi assassinado por homofobia, por preconceito”, conta.

Rodrigo diz que, apesar de ter amigos gays, antes de fazer a novela não tinha muito contato com o universo homossexual. “Hoje quando acesso a internet, abro e-mails, quando vejo notícias que se relacionam a gays, abro para ler. Antigamente não era algo que me interessava. Não por preconceito, mas era um mundo que eu não conhecia”, afirma.

O ator conta que, antes da novela, enxergava a homossexualidade de outra forma. “Pensava que quem era gay escolhia ser. Não sabia que a pessoa já nasce gay. Não tinha noção desse tipo de coisa. Hoje eu tenho. Não vou te dar certeza porque não existe nenhuma prova concreta, mas na minha cabeça hoje as pessoas já nascem gays. Umas se descobrem mais cedo, outras mais tarde, e algumas nem se descobrem”, argumenta.

Para Rodrigo, quem esconde que é homossexual só por status ou para manter as aparências deve sofrer muito. “Quem vive com mulher para se autoafirmar, mas na verdade gosta de homem, para tentar se aceitar assim, uma hora ou outra a vida pesa. Recebo e-mails com cada história que não dá nem para imaginar. Só com as mensagens que recebo já dá para construir uma novela”, diz.

 

Fonte: Uol

Fonte:        CRP SP SE MANIFESTA SOBRE O PL 280/2011

 

O Conselho Regional de Psicologia de São Paulo divulga uma nota na qual manifesta preocupação diante do projeto de lei nº 280/2011, de autoria de Cristóvão Gonçalves, vereador de São José dos Campos. O documento “dispõe sobre a proibição de divulgação de qualquer tipo de material, que possa induzir a criança ao homossexualismo”. Confira o teor do manifesto:

O Conselho Regional de Psicologia de São Paulo vem manifestar sua preocupação diante do projeto de lei nº 280/2011, que “dispõe sobre a proibição de divulgação de qualquer tipo de material, que possa induzir a criança ao homossexualismo”, de autoria do vereador Cristóvão Gonçalves, de São José dos Campos.

Em um momento marcante da história brasileira, quando, a duras penas, uma parcela considerável de nossa população teve ampliado o direito de exercer plenamente sua cidadania, com o reconhecimento pelo Supremo Tribunal Federal das uniões homoafetivas como uniões estáveis, assistimos à emergência de respostas cada vez mais conservadoras, de caráter intolerante, discriminatório e excludente. Respostas que podem ser resumidas em uma palavra: homofobia.

Proibir manifestações públicas de afeto; proibir a convivência com as diferenças sexuais (mesmo que em materiais educativos ou artísticos); garantir o direito à demissão de funcionários homossexuais, como lamentavelmente defendeu a Deputada Estadual do Rio de Janeiro Myrian Rios, são exemplos dessas respostas. Respostas que dizem respeito à intolerância diante da diversidade sexual.

A intolerância, hegemonicamente mascarada em “brincadeiras”, discriminações e mortes silenciosas, parece tentar se tornar oficializada em projetos de lei que não apenas tornam experiências homoafetivas práticas imorais e/ou patológicas, como também ilegais. Mais uma vez, lidamos com concepções que tratam as homossexualidades como algo pernicioso, a ser duramente combatido.

Falamos, dessa forma, da naturalização e legalização de concepções e práticas intolerantes, homofóbicas, que tratam certas pessoas como passíveis de perseguições e punições, que são justificadas de modo arbitrário, tomando como base os desejos e afetos das pessoas.

Parece irrelevante vivermos em um suposto Estado democrático, com dispositivos legais que garantem (ao menos em suas intenções) a igualdade de todos e todas perante a lei, independentemente de classe social, credo, raça, sexo. Ou este não é um dos mais importantes princípios de nossa Constituição?

Este princípio foi reafirmado na lei 10.948/01, que vigora no Estado de São Paulo. De acordo com esta lei, ninguém pode ser exposto a vexame, ser humilhado, constrangido, impedido de acessar locais públicos ou privados, ser cobrado com preços ou serviços diferenciados, ser impedido de locar imóveis para qualquer finalidade, ser demitido ou deixar de ser admitido, em função de sua orientação sexual ou identidade de gênero. Em tal lei, é ainda considerado discriminação proibir a LGBT o mesmo tipo de afetividade que outros cidadãos no mesmo local. Ora, é disso que falamos ao defendermos a igualdade de todos e todas perante a lei.

Entendemos que a lei 10.948/01 parte do reconhecimento de que a homofobia, sim, existe e não é uma preocupação descabida. Nada descabida, também se lembrarmos que o Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou Resolução que versa sobre os Direitos Humanos, orientação sexual e identidade de gênero, no último 17 de junho, em Genebra. Tal Resolução expressa “forte preocupação em relação a atos de violência e discriminação, em todas as regiões do mundo, cometidos contra as pessoas por causa de sua orientação sexual e identidade de gênero”.

Há de se lembrar também que as homossexualidades deixaram de ser entendidas como doenças já há quase vinte anos. Em consonância com tais paradigmas, o Conselho Federal de Psicologia aprovou a Resolução 01/1999, que estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da Orientação Sexual, considerando que a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão.

Ao mesmo tempo, entendemos que as diversas orientações sexuais não são influenciáveis; quer dizer, a convivência com não-heterossexuais não implica tornar ninguém homossexual, afinal, inúmeros são os casos de pessoas homossexuais provenientes de famílias heterossexuais. Se tal convivência não influencia pessoas a se tornarem homossexuais, lembramos que o mesmo não acontece quando convivemos com concepções e práticas intolerantes e discriminatórias. Estas, por sua vez, são altamente capazes de influenciar as pessoas, intensificando a produção de sujeitos pouco tolerantes às diferenças. Tal situação se agrava quando assistimos ao Estado se fazer legalmente um agente violador de direitos, por meio de leis discriminatórias que impedem as pessoas de exercerem sua plena cidadania.

avalanche de respostas marcadas por tal intolerância que vimos assistindo nos ensina uma lição: o avanço em nossa legislação é necessário na expansão da experiência de cidadania em nosso país; necessário, porém insuficiente. Avançar na garantia de direitos a todos e todas implica o acesso a informações e a processos educativos pautados em valores de respeito e tolerância. Implica também criarmos novas sensibilidades, novas subjetividades. Subjetividades mais afeitas às diferenças, a modos diversos de vida, tratando-os como expressões de nossas possibilidades de existência, possibilidades de todos e todas nós.

29 de junho de 2011
Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

Foi aprovado ontem, quinta-feira (11), na cidade de São José dos Campos (SP), o projeto de lei 280/2011, de autoria do vereador Cristovão Gonçalves (PSDB-SP), que proíbe a “divulgação de qualquer tipo de material que possa induzir a criança ao homossexualismo”. A lei institui multa de mil reais para quem descumprir a medida. Foram 11 votos a favor e 9 contrários.

O texto proíbe manifestações da homossexualidade – invalidando o direito a liberdade de expressão e o direito a felicidade e a dignidade humana, assim como o ir e vir pelo simples fato de ser diferente da maioria -.

A lei é facista, não mostra o que “pode” e “não pode”, afim de criminalizar os Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais.

De tal forma a lei proíbe:

– Travestis e Transexuais que circulem, assim como homossexuais com trejeitos. 

– A Parada LGBT

– A Crianças Transexuais (  aos desconhecidos pesquisem sobre crianças transgêneras ) que frequentem a escola.

Faço a mesma pergunta e questionamento de Priscila Mathias

“Essa multa seria aplicada a pessoa física, jurídica, a ONGS, a escolas? A professora que abordar o assunto em sala de aula será multada? Se eu organizar uma palestra na faculdade serei multado? Vão pegar o meu CPF e mandar um boleto na minha casa?”

O Vereador diz: “Não é uma questão de preconceito e sim de proteger as crianças da indução ao homossexualismo”, diz o vereador. Por acaso os gays são doentes, são bandidos? Ser gay é doença ou crime? Porque ele não faz uma lei pra proteger as crianças das drogas, evitando que os traficantes vendam drogas nas escolas como anda acontecendo em São José e a prefeitura finge que não vê?

O texto é totalmente ambíguo e dá margem para enquadrar tudo o que eles quiserem. Nele podem ser incluídas toda e qualquer manifestação homossexual que os homofóbicos julgarem que está “induzindo” a criança.Inclusive o vereador disse que pretende aproveitar para que a peça da atriz Christiane Torloni “A Loba de Ray-Ban” seja proibida de vir para São José. Bares e Boates gays, além de ONGS seriam diretamente atingidas pela lei. Voltamos à ditadura? Voltamos à censura? Vão mandar os gays para Campos de concentração em São José dos Campos?

Já esta mais do que explicado pela Psicologia, Psicanálise, Psiquiatria, etc… que a homossexualidade não é algo aprendido. As únicas teses que são deturpadas são a da Teoria Psicanalítica do complexo de Édipo e da Psicológica da identificação com a mãe e com o pai. 

Tenha a paciência e entenda o Édipo:

É muito engraçado ver os religiosos, sem o mínimo de formação, achando-se aptos a explicarem a sexualidade humana utilizando-se da psicanálise, no que tange a homossexualidade, chega a ser cômico para não ser desastroso. Citam o complexo de édipo como se ele fosse um distúrbio, o complexo de Édipo é um período que a criança vivencia até os seus 5 anos de idade meus caros ( Lapanche e Pontalis), tentam resumir o édipo simplesmente em : Pai ausente, Mãe super presente. Não é bem assim, Freud não dedicou um livro ao Édipo para resumi-lo a tal.

Segundo Freud, a criança por volta dos 4 anos de idade, se encontra ligada libidinosamente a sua mãe. Édipo foi um homem grego que amou sua mãe, e é por isso que Freud deu este nome a esta etapa das nossas vidas. É um tanto quanto difícil imaginar uma criança de 4 ou 5 anos, simplesmente gamada em sua própria mãe, mas é mais ou menos isso que acontece com quase todas as pessoas, nessa idade. Se você observar uma criança desta idade, vai ver que ela é manhosa, vive no colo da mãe, e se alguém a tira de perto da mãe ela dá birra. 

Isso acontece também dentro de casa, com meninos e meninas, onde quem sofre com essa ‘paixonite’ pela mãe é o pai e os irmãos, que mal podem se aproximar. Logicamente, uma situação como essa numa família é insustentável, pois afinal, todos, inclusive o pai, querem estar perto da mãe. Pai e filho (as vezes irmão mais velho também) começam a travar uma disputa pela posse da mãe. Este conflito é normal, e acontece com todos nós como já havíamos citado anteriormente.

Normalmente o pai vence, impõe limites à birra do filho, consegue “desgrudar” o filho da mãe. Há um sentimento de “rivalidade” com o pai. É um processo um tanto quanto longo, as vezes mais de 6 ou 12 meses. Com isso, o filho passa então a se ligar mais ao pai, e aos 6 – 7 anos ele já gosta de pescar ou jogar futebol junto com o pai, e já é todo ‘tiete’ do próprio pai.

E assim ele passa a interiorizar as características masculinas do pai, tanto quanto o objeto de desejo, as mulheres, o que só vai se estruturar de fato na adolescência. Mas a semente é plantada na época do complexo de Édipo.

Segundo Freud, a homossexualidade se explica por uma saída “negativa” do complexo de Édipo. Quando o pai da criança não consegue impor limites ao filho, que está literalmente grudado na mãe, o filho não passa a se voltar para as características do pai, e interioriza as características femininas da mãe, inclusive seu objeto de desejo, o homem. Freud cita a relação “pai passivo/mãe dominadora” para este novo triângulo. 

Isto se explica pois, uma relação de pai passivo e uma mãe superprotetora, faz com que o pai não consiga “vencer” a disputa com o filho, pela “posse” da exclusividade da mãe. O filho então torna-se homossexual. É esta a coluna mestra, na teoria de Freud, para uma pessoa se tornar homossexual. Tristann tem uma outra opinião sobre a teoria de Freud e como ela influencia a homossexualidade, o que você poderá ler no texto “Teoria de Freud, até onde podemos considerá-la?”.

Alguns psicoterapeutas hoje, adaptaram esta teoria pra nossa realidade do século XX. Muitos vêem como sendo um processo de triangulação entre pai mãe e filho. José Fonseca, médico-psiquiatra e psicodramatista, diz que a criança entra numa “crise de triangulação”, por volta dos 4 anos. Ela se sente ou não rejeitada, quando descobre que além de uma relação entre ela (a criança) e a mãe, há também uma relação entre os dois, pai e mãe.

“A resolução desta crise pode ser a criança aceitar que ela não é o centro do mundo, que as outras pessoas têm relacionamentos entre si, independente dela, o que não significa que ela receberá menos afeto por isso. Superada essa crise, ela estará pronta para relacionar-se com as demais pessoas, entrando na fase de socialização.” (Costa, 1994)

“Tudo isso acontece com a criança de forma inconsciente, e por volta dos 5 ou 6 anos ela já pode ter resolvido esta crise. Nessa fase, a criança tem como primeiro modelo o relacionamento entre um casal, geralmente heterossexual. Esse primeiro modelo poderá servir como ponto de partida
para seus relacionamentos afetivos e sexuais no futuro.” (Costa, 1994)

Mesmo após todas estas teorias, muitos são os casos que fogem do modelo de Freud ou da Triangulação, como citamos. A definição da orientação afetivo-sexual é ainda considerada não explicada.

Freud escreveu dezenas de livros e não foi para religiosos extraírem uma fala ou duas fora do padrão para explicarem o que bem lhe entenderem para confundir a cabeça das pessoas! 

Freud nunca considerou a Homossexualidade doença e nunca a tratou como opção!

As posições de Freud sobre a homossexualidade não eram apenas teóricas: Freud as sustentava na prática (Ceccarelli, 2008). A opinião de Freud, publicada no jornal vienense Die Zeit a respeito de um escândalo envolvendo uma personalidade acusada de práticas homossexuais não é sem conseqüências. Nela, Freud declara que a homossexualidade não releva do âmbito jurídico e, mais ainda, que os homossexuais não devem ser tratados como doentes pois, se a homossexualidade for uma doença, teremos que qualificar de doentes grandes pensadores que admiramos. Há também a carta de Ernest Jones enviada a Freud em 1921 sobre o pedido de admissão de um jovem homossexual à sociedade psicanalítica. Jones é contra a admissão. Freud discorda de Jones e afirma que a admissão, ou não, do candidato dependerá exclusivamente da análise de suas qualidades.

O que parece evidenciar do que foi dito acima é que a questão das “sexualidades desviantes” é um problema que está intimamente ligado a como o imaginário da cultura ocidental lida com a sexualidade. Em toda e qualquer cultura, boa parte da noção de “normal”, e de “patológico”, está em relação direta com o imaginário desta mesma cultura. Na cultura ocidental, é no imaginário judaico-cristão, cujas origens remontam aos mitos fundadores que o sustentam, que encontramos as bases daquilo que é considerado “normal” e, por conseguinte, “desvio”.

Sem dúvida, um dos pontos de ruptura da teoria psicanalítica que até hoje, e talvez ainda por muito tempo, seja problemático para a cultura ocidental é a questão da sexualidade. À despeito de tanta “evolução”, a sexualidade continua a ser um grande tabu. Neste sentido, o texto de Freud (1889) A sexualidade na etiologia das neuroses escrito há mais de 100 anos é de uma atualidade desconcertante. Por outro lado, embora muito já tenha sido dito e escrito sobre o impacto produzido pela publicação dos Três ensaios, o assunto é geralmente debatido, já o dissemos, em relação às revolucionárias posições freudianas a respeito da sexualidade. Acreditamos, entretanto, que a ruptura mais importante trazida por este texto fundador ainda não foi suficientemente avaliada. Trata-se da desconstrução do imaginário judaico-cristão produzida pelos postulados freudianos (CECCARELLI, 2007). Nossas referências mais caras sobre a sexualidade, assim como nossas posições morais e éticas, são baseados no sistema de valores judaico-cristão que são historicamente construídos. Na cultura ocidental, estes valores funcionam como referências identitárias que organizam nosso cotidiano e explicam a origem do mundo e como ele deve funcionar segundo a vontade de Deus: eles são nossa mitologia. Baseado nessa mitologia, o desejo sexual espontâneo é prova e castigo do pecado original – a concupiscência: o homem é fruto do pecado – e a única forma de sexualidade aceita é a heterossexual para a procriação (RANKE-HEINEMANN, 1996). Ao postular, como vimos, que a sexualidade humana age a serviço próprio, Freud destrói o sistema de pensamento que sustentada a crença de uma “natureza humana”.

Nos textos de Freud encontramos vários trabalhos teórico-clínicos, desde o Manuscrito H, endereçado a Fliess, até o Esboço de psicanálise, em que a homossexualidade é discutida. Os que merecem destaques são: Os três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905, e sobretudo as notas de rodapé acrescentadas em 1925 e 1920), Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância (1910), O caso de Schreber (1911), e Psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher (1920).

O que se depreende da leitura desses textos, embora algumas ambigüidades existam, é que a homossexualidade é uma posição libidinal, uma orientação sexual, tão legítima quanto a heterossexualidade. Freud sustenta esta posição partindo do complexo de Édipo, fundado sobre a bissexualidade original, como referência central a partir da qual a chamada “escolha de objeto” ou “solução”, que acho mais adequado, vai se constituir. Esta escolha, que não depende do sexo do objeto, é a base dos investimentos futuros. Uma vez que os investimentos libidinais homossexuais estão presentes, ainda que no inconsciente, de todos os serem humanos desde o início da vida, Freud opõe-se

com o máximo de decisão, que se destaquem os homossexuais, colocando-os como um grupo à parte do resto da humanidade, como possuidores de características especiais (…). Ao contrário, a psicanálise considera que a escolha de um objeto, independentemente de seu sexo – que recai igualmente em objetos femininos e masculinos –, tal como ocorre na infância, nos estágios primitivos da sociedade e nos primeiros períodos da história, é a base original da qual, como conseqüência da restrição num ou noutro sentido, se desenvolvem tanto os tipos normais quanto os invertidos (1905, p. 146).

Como conseqüência, continua Freud na mesma frase,

do ponto de vista da psicanálise, o interesse sexual exclusivo do homens por mulheres também constitui um problema que precisa ser elucidado, pois não é fato evidente em si mesmo, baseado em uma atração afinal de natureza química (p. 146).

Anos mais tarde, precisamente em 1920, Freud deixa ainda mais clara sua posição em relação à homossexualidade:

Não compete à psicanálise solucionar o problema do homossexualismo. Ela deve contentar-se com revelar os mecanismos psíquicos que culminaram na determinação da escolha de objeto, e remontar os caminhos que levam deles até as disposições pulsionais (1920, p. 211).

A conclusão que podemos tirar é que tanto a homossexualidade quanto a heterossexualidade são destinos pulsionais ligados a resoluções edipianas. 
A base da argumentação de Freud está na visão completamente nova e revolucionária que ele dará à noção de psicossexualidade. No texto de referência sobre o tema, Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, Freud afirma que, no ser humano, a pulsão sexual não tem objeto fixo, ou seja, ela não está atrelada ao instinto como nos animais. Ao contrário, o objeto da pulsão é diversificado, anárquico, plural e parcial; exprime-se de várias formas: oral, anal, escopofílica, vocal, sádica, masoquista, dentre outras. Com isto, Freud divorcia a sexualidade de uma estreita relação com os órgãos sexuais, passando a considerá-la como uma função abrangente em que o prazer é sua finalidade principal, e a reprodução uma meta secundária. Além disto, ao postular que a sexualidade vai além dos órgãos genitais, Freud leva “as atividades sexuais das crianças e dos pervertidos para o mesmo âmbito que o dos adultos normais” (1925, p. 52). Nesta perspectiva, em que as pulsões parciais integram o psiquismo humano, o conceito de normalidade perde seu sentido, tornando-se uma ficção: não existe diferença qualitativa entre o normal e o patológico. A diferença reside nas pulsões componentes dominantes na finalidade sexual. Além disso, se os impulsos afetuosos e amistosos, reunidos na “palavra extremamente ambígua de ‘amor’”, nada mais são do que moções pulsionais sexuais “inibidos em sua finalidade ou sublimados” (Freud, 1925, p. 52 – grifo do autor), cada sujeito possui um vestígio de escolha de objeto homossexual.

Finalmente, à biologia, à moral, à religião e à opinião popular, Freud vai dizer o quanto elas se enganam no que diz respeito à “natureza” da sexualidade humana: a sexualidade humana é, em si, perversa. Agindo a serviço próprio ao buscar o prazer, ela escapa a qualquer tentativa de normalização e subverte a natureza “pervertendo”, assim, seu suposto objetivo supostamente natural: a procriação. A sexualidade é contra a natureza: em se tratando de sexualidade, não existe “natureza humana”.

Freud não apenas argumenta seus pontos de vista teoricamente como os sustenta na prática. Em 1903, quando a homossexualidade era tida como um problema médico e jurídico, o jornal vienense Die Zeit pede a Freud que se pronuncie sobre um escândalo envolvendo uma importante personalidade acusada de práticas homossexuais. Freud responde que

a homossexualidade não é algo a ser tratado nos tribunais. (…) Eu tenho a firme convicção que os homossexuais não devem ser tratados como doentes, pois uma tal orientação não é uma doença. Isto nos obrigaria a qualificar como doentes um grande números de pensadores que admiramos justamente em razão de sua saúde mental (…). Os homossexuais não são pessoas doentes (1903 apud Menahen, 2003, p. 14).

Em 1921, Freud recebe uma carta de Ernest Jones, então presidente da International Psychoanalytical Association (IPA). Nela, Jones relata a Freud que recebera um pedido de admissão à Sociedade de um analista homossexual. Jones é contra sua admissão. Na resposta à carta, assinada por Freud e Otto Rank, lê-se:

Sua pergunta, estimado Ernest, sobre a possibilidade de filiação dos homossexuais à Sociedade, foi avaliada por nós e não concordamos com você. Com efeito, não podemos excluir estas pessoas sem outras razões suficientes (…) em tais casos, a decisão dependerá de uma minuciosa análise de outras qualidade do candidato (Lewis, 1988, p. 33).

Finalmente, temos a famosa carta de Freud, escrita em 1935, a uma mãe americana que solicita seus conselhos sobre seu filho homossexual:

A homossexualidade não é, certamente, nenhuma vantagem, mas não é nada de que se tenha de envergonhar; nenhum vício, nenhuma degradação, não pode ser classificada como doença; nós a consideramos como uma variação da função sexual (Jones, 1979, p. 739).

Descontextualizar é a arma predileta dos religiosos, seguida da vontade de compreender as coisas sem o esforço necessário ( uma formação ), por isso o resulta em um mar de ignorância.

Os religiosos apelam para o complexo de Édipo pela sua “luxuosidade” nominal e pela sua pseudo simplicidade em explicar a homossexualidade, como se tal fosse realmente simples, mas não é, do ponto de vista psicológico o Dr. Adriano Facioli no texto “Homossexualidade é opção?” explica

“Esta é uma pergunta muito comum, do senso comum (por isso a coloquei entre aspas), em relação à homossexualidade. Em muitos casos, infelizmente, há pessoas que chegam a afirmar isso de modo categórico. 

A homossexualidade é um fetiche da curiosidade de nossa sociedade que praticamente criminaliza esse tipo de orientação. E se a homossexualidade é fetichizada, a homossexualidade masculina o é ao quadrado. E ao verbo “fetichizar” atribuo o sentido de dar um valor excessivo ao que quer que seja. Se fetichiza é porque ressalta demais, valoriza demais. É atenção, curiosidade e xeretice demais em relação ao tema.

As pessoas querem logo a resposta, querem logo saber a causa – como se tudo necessariamente pudesse ser explicado ou determinado por uma única causa. Se nasce assim ou se aprendeu; se é uma condição ou uma escolha.

Mas Freud logo adverte: se a homossexualidade é representada como um mistério, isso também deveria caber à heterossexualidade. Para ele há de se perguntar pela gênese tanto de uma quanto de outra. Pois para a psicanálise todos nascemos, vamos assim dizer, “bissexuais”. A orientação originária é a bissexualidade. A monossexualidade, seja ela hetero ou homo, só se dá com o decorrer do desenvolvimento. Neste sentido, psicanalítico, nascemos bissexuais e aprendemos a ser hetero ou homo.

E o termo aprendizagem, para o senso comum, também adquire alguns sentidos que não os adotados pela Psicologia. Basta dizer que é aprendido, para alguém já logo pensar equivocadamente que deve haver alguém, alguma pessoa que ensina. Para não me estender muito sobre isso, resumo: aprendemos o tempo todo, e o mundo (incluído aí o mundo das coisas) ensina.

Mas ouço muito, da boca de muitas pessoas, inclusive e infelizmente, penso eu, de alguns alunos: “homossexualidade é opção”. Já ouvi até mesmo gays dizendo isso. Penso da seguinte forma: é uma frase muito genérica e vaga para uma questão tão complexa. É tão vaga que pode adquirir diversos sentidos.

Uma vez vi na televisão um gay dizendo isso: “é uma opção, sabe”. Ele se sentia como um paladino da liberdade ao dizer isso. Dizia com gosto, com orgulho que era uma escolha, uma opção.

Há também, e com muito mais freqüência, pessoas conservadoras e machistas que dizem isso. E o sentido subjacente costuma ser: “se escolheu isso, poderia ter escolhido o contrário; sofre preconceito porque quer; seja homem!”. Ou então: sendo opção, logo é safadeza, moda ou falta do que fazer.

E a grande questão é: então o homossexual escolhe isso, ser uma espécie de pária da sociedade? Alguém escolhe isso para sua vida: ser discriminado, diminuído, excluído, maltratado e humilhado? Sim, pois é exatamente assim que os homossexuais são tratados. Se a homossexualidade é uma opção, então completemos a frase: é opção e masoquismo. Pois somente alguém que tem prazer em sofrer é que poderia escolher esta opção.

E mesmos os masoquistas, fique bem claro, nunca o são de modo genérico. Não existe esta história de simplesmente gostar de sofrer. Ninguém é masoquista pra tudo. Pois o masoquismo, em termos comportamentais, muitas vezes nada mais é que efeito da associação entre dois estímulos: um prazeroso e outro doloroso. Masoquistas costumam ter prazer com coisas muito específicas, as quais são exatamente aquelas que foram associadas com alguma forma de prazer muito significativa já vivenciada.

Se a orientação sexual é uma opção, logo as possibilidades são as mesmas para todo mundo. Logo, somos todos, como pretendia Freud, originariamente bissexuais. Eis aí o paradoxo do senso comum: enuncia uma regra que, por implicação lógica, estabelece a bissexualidade como universal, coisa que o próprio senso comum rejeita.

Se a orientação sexual é uma opção, logo existe escolha consciente. E pode se dizer que se trata de algo mais ou menos parecido com, por exemplo, o ato de votar: você vai lá e marca um x. Portanto, chegam a ser ridículas as implicações lógicas que tal bobagem produz.

Porém, continuemos, até o absurdo. Sim, pois todo equívoco desemboca no absurdo.


Primeiro as definições:

1. Homossexualidade é a predominância de atração sexual por pessoas do mesmo sexo.

2. Heterossexualidade é a predominância de atração sexual por pessoas do sexo oposto.

3. Bissexualidade é a atração sexual por pessoas de ambos os sexos, sem a predominância significativa de qualquer orientação.

Se a orientação sexual é uma opção, logo as pessoas escolhem gostar disso ou daquilo, querer isso ou aquilo. E quem é que tem esse poder: escolher do que vai ou não gostar, querer?

Se a orientação sexual é opção, logo há conflito entre alternativas. Senão não haveria opção alguma. Enfim, resumindo: mais uma peça para a coleção gigantesca de besteiras do senso comum.”

Portando, a partir dos textos publicados acima se entende que a homossexualidade segundo Freud não é uma doença, nem perversão, nem degradação, nem vício, nem desvio, nem perversão, assim como para com a Psicologia e Psiquiatria, os que o fazem, assim fazem por falta de conhecimento e preconceito para com a real ciência. 
Uma outra aplicação errônea é aplicar o termo “homossexualismo”, abolido em 1991 pela OMS, pois o prefixo ismo se refere a doença e homossexualidade não é doença. “ Cliquei aqui para ver o texto na íntegra

Já a teoria Psicológica do apego a mãe e do pai é muito parecida, só que mais simplificada:

O Filho que possui uma mãe super-presente adquire hábitos femininos e acaba por ausência paterna a não viver de acordo com a estereotipagem da figura masculina para a sociedade, ao ser “influenciado” pela mãe acaba adquirindo também o objeto de desejo: O homem. Por “conhecer” demasiadamente a mulher, perde o interesse pela mesma e acaba se aprofundando no sentimento homoerótico. Embora tal tese apareça bizarramente em algumas dissertações de Psicólogos, ainda é possível se achar a teoria Psicológica da “causa homossexual” abolida a tempos pelos próprios e competentes profissionais por mostrar falhas claras! Aderindo a causa psicanalítica que não implica em um influência dos pais e sim em um recaimento a bissexualidade inata de todo ser humano que é determinada nos primórdios da vida, sendo assim, na mais ignorância e no menor conhecimento de Psicanálise e Psicologia o dito cujo vereador se baseou.Mas se assim for, os pais dos homossexuais que são heterossexuais em suma que devem ser multados! Pois segundo a visão lógica deturpada do vereador são eles que “causam a homossexualidade”

Lei burra! Inconstitucional! 

Obs: Nem a Psicologia e nem a Psicanálise sustenta a tese da “homossexualidade aprendida”, isso foi só um olhar segundo a visão BURRA do vereador que criou tal lei que atirou no próprio pé! 

Foi aprovado ontem, quinta-feira (11), na cidade de São José dos Campos (SP), o projeto de lei 280/2011, de autoria do vereador Cristovão Gonçalves (PSDB-SP), que proíbe a “divulgação de qualquer tipo de material que possa induzir a criança ao homossexualismo”. A lei institui multa de mil reais para quem descumprir a medida. Foram 11 votos a favor e 9 contrários.

Ativistas dos direitos humanos têm argumentado que tal lei é inconstitucional. Também disseram que o texto não especifica o que seria uma “campanha de incentivo ao homossexualismo” e que seu texto é fascista, já que está claro o teor de criminalização da homossexualidade.

O episódio acontece uma semana depois de a Câmara Municipal de São Paulo ter aprovado o projeto de lei do vereador Carlos Apolinário (DEM-SP), que institui o Dia do Orgulho Heterossexual. Em sua justificativa, Apolinário diz que com a lei quer “resgatar os valores e bons costumes da verdadeira família e que a comunidade LGBT dispõe de excessos de leis”.

Fonte: A Capa

A Meses atrás eu comentei sobre essa lei e pedi apoio dos Ativistas LGBTs que pouco ligaram, achando que a lei não ia ser aprovada e foi! Meu comentário e minha carta foram a seguinte:

“Caro presidente do PSDB, Sérgio Guerra e Senhores vereadores de São José dos Campos/SP , acaba de chegar em minhas mãos, uma matéria absurda que fere até o nome do partido (  Partido da Social Democracia Brasileira)  , uma lei municipal criada com o intuito de “proibição de divulgação de qualquer tipo de material, que possa induzir a criança ao homossexualismo” – Como o próprio projeto de lei diz.

 O Projeto de Lei nº 280/2011, de autoria do vereador Cristóvão Gonçalves (PSDB), tem como objetivo de vetar no município a divulgação qualquer tipo de informação sobre a diversidade sexual. E se não bastasse a mordaça que a proposta quer impor, o projeto prevê ainda que quem divulgar qualquer informações sobre homossexualidade corre também o risco de ser multado em mil reais. 

Além de ir na contra-mão de vários direitos concedidos a população em geral, ele prevê uma ditadura. 

Além do mais, a falta de conhecimento do vereador, chega a ser danosa a população, contrariando todos os estudos da Psicologia, da Psicanálise, da Medicina, da Biologia, que em muito concorda que os fatores genéticos da homossexualidade existem sim! Porém, independente disto, esta mais do que comprovado que a homossexualidade não é algo aprendido, muito menos algo que se aprende com informação, informação é cultura, cultura só nos faz crescer em sabedoria e em ética. Uma lei como está é absurda, fere os direitos das minorias, além de se mostrar parcial ( pois visa as vontades de religiosos ). A Lei também, mesmo que indiretamente que colocar a homossexualidade como se fosse algo danoso, patológico que deve ser punido com multa! Eu só quero deixar claro, que além de ferir  a constituição, ela fere o tratado que o Brasil assinou junto a ONU de descriminalizar e tirar qualquer tipo de conotação patológica sobre a homossexualidade em si! Diante de tais fatos exijo, como cidadão devidas explicações e providências.

Além desta breve dissertação cito também 10 motivos para a não aprovação de tal lei:

1-      O texto é totalmente ambíguo e dá margem para enquadrar tudo o que eles quiserem. Nele podem ser incluídas toda e qualquer manifestação homossexual que os homofóbicos julgarem que está “induzindo” a criança.Inclusive o vereador disse que pretende aproveitar para que a peça da atriz Christiane Torloni “A Loba de Ray-Ban” seja proibida de vir para São José. Bares e Boates gays, além de ONGS seriam diretamente atingidas pela lei. Voltamos à ditadura? Voltamos à censura? Vão mandar os gays para Campos de concentração em São José dos Campos?
2-      O que seria divulgação de material que induza ao homossexualismo? A quem cabe decidir se induz ou não? A pessoas homofóbicas como ele? Essa lei fere vários direitos constitucionais: Liberdade de Expressão, igualdade perante a lei, dentre outros.
3-      A orientação sexual não pode ser influenciada por ninguém como já mostram estudos em Psicologia, a maior prova disso é que se a influência valesse não existiriam gays, pois os pais dos gays são heterossexuais.
4-      Em que artigo do Código Penal o infrator será enquadrado? Não há nada que preveja indução a um comportamento sexual no Código Penal. Ser homossexual não é crime!! Para se mirar só na homossexualidade, esta teria que ser caracterizada como crime. Ou seja, seria fazer apologia ao “crime”.
5-      Este projeto de lei é totalmente discriminatório, Homofóbico e fascista, pois se for assim, então tem que se punir quem fizer “propaganda” induzindo à criança a ser heterossexual também. (Vamos proibir todas as histórias de príncipes encantados com beijos de príncipe e princesa no final, porque não podemos induzir a criança a nenhum tipo de sexualidade…)
6-      Essa multa seria aplicada a pessoa física, jurídica, a ONGS, a escolas?? A professora que abordar o assunto em sala de aula será multada? Se eu organizar uma palestra na faculdade serei multada? Vão pegar o meu CPF e mandar um boleto na minha casa?
7-      Essa lei quer criminalizar algo que não é crime, quer patologizar algo que não é doença segundo a Organização Mundial de Saúde e segundo o Conselho Federal de Psicologia. A palavra homossexualismo nem existe mais! A terminação “ismo” designa doença e a OMS e o CFP retirou da lista de doenças em 1990, há 21 anos! Será que uma pessoa que nem usa a palavra correta pode se dizer autoridade no assunto?
8-      O vereador disse: “Esse material não é educativo. Ele induz ao homossexualismo”. O vereador é psicólogo? Psicopedagogo? É da UNESCO, ONU, CFP ou algum outro órgão do tipo? Ele é alguma autoridade no assunto para afirmar tal coisa como verdade absoluta? Ele se baseou em algum estudo científico de renome internacional? Baseia-se em seus próprios preconceitos!
9-      “Não é uma questão de preconceito e sim de proteger as crianças da indução ao homossexualismo”, diz o vereador. Por acaso os gays são doentes, são bandidos? Ser gay é doença ou crime? Porque ele não faz uma lei pra proteger as crianças das drogas, evitando que os traficantes vendam drogas nas escolas como anda acontecendo em São José e a prefeitura finge que não vê?
10-   Além disso, essa lei é um retrocesso para a cidade, quer passar por cima da lei estadual 10.948/01 que garante livre expressão sexual aos homossexuais do mesmo modo que é permitida aos heterossexuais.  

Atenciosamente, 

Mande esta carta para os seguintes e-mails: 

sergio.guerra@senador.gov.br

cristovao@camarasjc.sp.gov.br 

 
ATENÇÃO: A LEI ESTÁ PRESTES A SER VOTADA! ATENTEM-SE, PUBLIQUEM EM SEUS BLOGS, FAÇAM BARULHO QUANDO SE É PRA FAZER, NÃO SE CALEM QUANDO SEUS DIREITOS ESTÃO EM RISCO, NÃO É PORQUE É UMA LEI MUNICIPAL QUE SÓ VAI AFETAR LÁ QUE QUEM ESTA DE FORA DEVE FICAR QUIETO… SE A COISA FUNCIONASSE ASSIM, O FUNDAMENTALISMO VAI COMER A SOCIEDADE POR CIDADE! 
Só quero lembrar a vocês de uma coisa que já falei neste Blogs diversas vezes! Os homossexuais já tem por tendência se reprimir por conta da família, da sociedade e da religião, uma repressão estabelecida, ou seja, por lei, por obrigação, terá como resultado o que já temos visto com frequência: Suicídios! Só que em números maiores! 
 
Colaboração da Estudante de Psicologia Priscila Mathias, veja mais em seu Blog: http://diversidade-adversa.blogspot.com/
Grato a todos! ” 
 
O resultado da inércia esta ai! 
Espero que agora vocês enviem seus e-mails com conteúdo científico e técnico afim do não sancionamento da lei ou para revogação de tal! 

 

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DE COMBATE A DISCRIMINAÇÃO E PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS

NOTA PÚBLICA SOBRE O DIA DO ORGULHO HETEROSSEXUAL

 

O Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção de Direitos Humanos LGBT vem a público repudiar, diante da sua justificava, a aprovação do PL 0294/05, de autoria do vereador Carlos Apolinario (DEM), pela Câmara Municipal da cidade de São Paulo, no último dia 2 de Agosto de 2011.

O CNCD LGBT solicita que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), vete  tal projeto de lei, uma vez que o mesmo representa um retrocesso na luta pela igualdade e cidadania, e fere os marcos do Estado  democrático e de direito.

A criação de um dia de luta ou orgulho significa um marco da existência de um grupo marginalizado politicamente que, nesse dia, afirma a sua presença na sociedade.

Diferente do dia internacional da mulher, do dia da consciência negra ou do dia do orgulho LGBT, que representam marcos históricos de luta contra violências reais na nossa sociedade, ao criar um dia do orgulho heterossexual não está falando da afirmação por respeito a uma orientação sexual, mas sim do reforço da heteronormatividade, que oprime mulheres, negras/os, homossexuais e reafirma os valores do machismo, do racismo e da homofobia.

Mais grave ainda do que o projeto em si é a justificativa para sua aprovação, de caráter nitidamente homofóbico. A possível sanção deste projeto banalizaria o enfrentamento da homofobia e estimularia atos de violência, como os que temos assistido nos últimos meses, sobretudo em São Paulo.

Não há justificativa histórica para a criação do Dia do Orgulho Hetero. A heterossexualidade nunca foi reprimida enquanto identidade sexual na nossa sociedade. Heterossexuais não sofrem discriminação em virtude de sua orientação sexual,não são vítimas de chacota, não têm a expressão de sua sexualidade reprimida, não sofrem violência nem são mortos por serem héteros.

Por outro lado, vemos acontecer diariamente uma dupla violência relacionada às orientações sexuais e identidades de gênero de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros

Por todas essas razões, entendemos que a legislação aprovada pela Câmara paulistana não é compatível com os valores e objetivos fundamentais da República, como a igualdade, a dignidade da pessoa e o princípio da não-discriminação.

Brasília, 10 de agosto de 2011.

Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de LGBT

cncd@sdh.gov.br

 


Leia Mais Em: http://www.eleicoeshoje.com.br/nota-publica-orgulho-hetero/#ixzz1Um94kDew

O final anunciado do casal Hugo e Eduardo em Insensato Coração dizendo que ambos seriam assassinados era falso. Uma outra versão afirmando que Hugo morreria assassinado e Eduardo continuaria vivo também foi divulgado por alguns sites e jornais, mas também é pista falsa plantada pelos autores da trama para despistar a imprensa e criar expectativas para os últimos capítulos da novela.
A cena real gravada nesta segunda-feira (8) mostra Hugo e Eduardo celebrando a união estável ao lado de amigos e familiares no quiosque da Sueli. Grande parte do elenco se reúne no local, incluindo Kleber (Cassio Gabus Mendes), que acabou virando queridinho das bees da novela por conta de seu esforço em solucionar o assassinato de Gilvan (Miguel Roncato). Sueli e Kleber terminam a novela juntos. Esse é o final previsto pelos autores para o casal na sinopse original.
Fonte: MixBrasil

A briga teria começado depois que um dos dois homens começou a provocar a irmã do adolescente e ele foi reclamar.

Um adolescente de 15 anos foi agredido por dois homens por ser gay em um ônibus em Ilhéus, no sul do Estado, segundo informações da TV Bahia.

A briga teria começado depois que um dos dois homens começou a provocar a irmã do adolescente e ele foi reclamar. Segundo o jovem, quando os dois notaram que ele era gay, começaram a dar socos e pontapés.

O adolescente disse que pediu que o motorista do ônibus, da empresa Viametro, parasse. Uma mulher que estava no ônibus disse que também pediu para o motorista intervir. “Ah, nao é comigo não isso ai. Quem manda ele ser gay?”, teria dito o funcionário, segundo a testemunha.

A agressão aconteceu na noite de segunda, mas o adolescente só prestou queixa nesta tarde de quarta-feira. Em nota, a empresa Viametro negou que o motorista tenha feito comentários depreciativos e disse que repudia qualquer ato de preconceito.

Lindomar Nacimento, coordenador da ONG Saphos, disse que a assessoria jurídica do grupo irá acompanhar o caso de perto, por se tratar de homofobia. “Ninguém é melhor que ninguém”, disse.

 

Fonte: FM Notícias 

O Autor

Ativista dos Direitos Humanos (Principalmente LGBTs ); Teólogo;Homeopata; Psicanalista, especialista em Sexualidade Humana, Filosofia, Sociologia;Blogueiro.

Este Blog é protegido por direitos autorais

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 72 outros seguidores

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

homofobia-basta@live.com

Me adicione no FacebooK

Curta a comunidade do Blog no Facebook, Clique na Imagem!

Me adicione no Orkut

Me siga no Twitter

Homofobia Basta!

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Quer ajudar o Blog? Faça sua Doação!

Portal Colaborativo Teia Livre

Igreja Progressista de Cristo

Parceiros de causa

Se você realmente ama seus amigos, defenda-os da Homofobia!

Contradições no discurso do Senador Magno Malta

Vítimas da Homofobia

Estatísticas do Blog

  • 556,043 Pessoas viram esse Blog
%d blogueiros gostam disto: