Homofobia Basta!

Solidão – O Homem não foi feito para ficar só

Posted on: 19 de junho de 2011

Não entrarei nos méritos de quem ou como foi criada a raça humana, eu tenho o meu entendimento e bem sabe vocês qual é.

Mas sei de fato que o homem não foi feito para ficar só, caso o fosse, não nasceria com ID, Ego e Superego, nasceria só com ID e EGO, o Superego seria desnecessário, visto que ele é formado por fatores externos como religião, filosofia, credo, família, tudo que depende de um outro. Por mais independe que sejamos, não conseguimos nos resolver sós, podemos nos isolar, ficar sozinhos… Em textos antigos, tendo como um dos homens mais sábios que existiram até hoje por seus provérbios e escritos que relatavam suas angústias de forma clara, assim como sua alegria, Salomão em sua velhice disse: 

 ” Há um que é só, não tendo parente; não tem filho nem irmão e, contudo, de todo o seu trabalho não há fim, nem os seus olhos se fartam de riquezas. E ele não pergunta: Para quem estou trabalhando e privando do bem a minha alma? Também isso é vaidade a e enfadonha ocupação. Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Pois se caírem, um levantará o seu companheiro; mas ai do que estiver só, pois, caindo, não haverá outro que o levante.  Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?  E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.” – Eclesiastes 4. 8-12

Embora nossos mais ilustres pensadores, filósofos, mestres tenham vívido uma vida solitária, não foi isso que nos ensinaram. Freud, pai da psicanálise, embora tenha sido uma mente inteligentíssima a qual seus estudos são motivos de estado de pasmo para alguns, pois a mais de 100 anos, como alguém poderia de forma empírica dizer que a homossexualidade que conhecemos hoje tem fator genético sem antes nem se conhecer essa especialidade, falar sobre o cérebro e a mente humana antes da consciência do pensar e do existir do consciente como palavra em si, Freud sempre disse que a solidão não é boa, sempre nos indicou e nos disse que bom é amar e disse que “Quem não ama, adoece!” .

Estudar é muito bom, meditar, orar, trabalhar, rever conceitos, porém tudo é um universo, uma conexão, eu como Psicanalista sei e sinto na pele que a solidão não é o melhor caminho, mais por N motivos me forço a ficar só, mais vejo que como já sei, sem precisar buscar outras fontes além das que já tenho que a Solidão esvaria a alma, a psiqué e a saúde orgânica e isso tem acontecido com muitas pessoas e também comigo!

Pra se ter noção, as céticos que não gostam do método empírico, ou simplesmente não acreditam na fala filosófica ou analítica, os estudos mostram que:

“Embora aprender a estar consigo mesmo e apreciar essa condição sem sofrimento seja uma meta ideal, o outro lado da questão faz pensar em quão difícil tem sido construir relações ricas e duradouras, não só do ponto de vista romântico, mas também social. Além disso, estudos indicam que permanecer isolado socialmente pode acarretar alterações significativas em nossa saúde, pois essa condição tem sido relacionada à depressão, diminuição do sono e da capacidade cognitiva, doença de Alzheimer e até mortalidade.

A solidão está também associada ao aumento da pressão sanguínea, das atividades do hipotálamo, da glândula pituitária e do córtex adrenal (vinculados ao hormônio do estresse, o cortisol), alterações no sistema imunológico, arteriosclerose, diabetes, inflamações e contrações nos vasos sanguíneos. Não bastasse esse extenso elenco, alcoolismo, sedentarismo e obesidade aparecem igualmente na lista dos males de quem vive só.

Uma pesquisa realizada por Louise Hawkley, diretora e pesquisadora do Laboratório de Neurociência Social, do departamento de Psicologia da Universidade de Chicago, nos EUA, mostrou que o remédio para prevenir essas enfermidades é manter um círculo de amizades ou estar inserido em algum grupo social.

A psicóloga diz que “ter muitas amizades não é necessariamente mais benéfico do que possuir apenas um bom amigo. O que verificamos em nosso estudo sobre a solidão é que um bom casamento, ter um ou mais amigos ou pertencer a um grupo significativo contribuem para a sensação de estar socialmente conectado. Esses são os tipos de relações que estão associados à boa saúde”, esclarece aos leitores de VivaSaúde, em entrevista exclusiva.

Louise lembra que cada pessoa difere em suas necessidades e, por isso, alguns indivíduos precisarão apenas de um amigo para se sentirem satisfeitos. Outros estarão mais à vontade se puderem contar com um número maior de amizades. Indagada se esse comportamento pode variar entre homens e mulheres, a pesquisadora explica que sua investigação não apresentou diferenças de gênero quanto à solidão. Contudo, ressalta, “os homens dão menos importância à questão do que as mulheres”.”

Fonte: VivaSaúde

Segue abaixo a coluna do Dr. Draúzio Varella publicada dia 26/03/2011 na Folha de S. Paulo. O ser humano é social por natureza e necessita para sua sobrevivência relacionar-se. O isolamento social é prejudicial não só do ponto de vista psicológico, mas também biológico. Portanto, a familía, os amigos e os relacionamentos afetivos são fundamentais em nossas vidas.

“A solidão crônica interfere na qualidade do sono, causa fadiga e reduz a sensação de prazer.”

O isolamento social aumenta o risco de morte tanto quanto o cigarro, e mais do que o sedentarismo ou a obesidade.
A relação entre vida solitária, doenças cardiovasculares, depressão e incidência de infecções foi demonstrada em mais de cem estudos epidemiológicos publicados a partir dos anos 1980. Esses estudos, no entanto, não explicam os mecanismos através dos quais o isolamento aumenta a mortalidade.
Nos últimos dez anos, os efeitos biológicos da solidão se tornaram mais conhecidos graças ao trabalho inovador de um grupo da Universidade de Chicago, dirigido por John Cacciopo.
Por meio de questionários para avaliar o grau de isolamento social dos participantes de testes psicológicos e de exames laboratoriais, o grupo de Chicago concluiu que embora episódios passageiros de solidão sejam inevitáveis e desprovidos de repercussões orgânicas relevantes, quando o isolamento persiste de forma crônica, suas consequências se tornam especialmente nocivas.
Algumas pessoas que vivem isoladas não se sentem solitárias, enquanto outras têm a sensação de estar sozinhas apesar da vida social intensa. A percepção subjetiva da solidão é mais importante para o bem-estar individual do que qualquer medida objetiva do número de interações sociais.
Numa escala criada para avaliar o grau de isolamento pessoal, aqueles com escore mais alto apresentam alterações bioquímicas sugestivas de que seus dias são conturbados. Neles, por exemplo, estão elevadas as concentrações urinárias de cortisol e epinefrina, moléculas associadas aos níveis de estresse.
Esse dado ajuda a explicar porque os solitários crônicos ficam estressados diante de situações que outros enfrentam com naturalidade, como falar em público ou conversar com desconhecidos.
Na evolução de nossa espécie, a ansiedade provocada pela solidão funcionou como sinal de alerta para que o indivíduo procurasse a proteção do grupo. Num mundo povoado por predadores, que chance de sobrevivência teria um animal fraco como nós perambulando sozinho?
Nesse sentido, o sofrimento que a solidão traz é faca de dois gumes: de um lado, colabora para a adaptação ao meio porque favorece o agrupamento; de outro, prejudica o organismo quando se torna crônico.
O grupo de Chicago investigou as repercussões imunológicas do isolamento prolongado. Nos solitários estão mais ativos os genes que promovem inflamação, enquanto aqueles envolvidos na resposta imune contra os vírus exibem atividade diminuída. Por essa razão, eles apresentam maior susceptibilidade às infecções virais (da gripe ao HIV) e à doença cardiovascular, enfermidade associada aos processos inflamatórios.
A solidão crônica interfere com a qualidade do sono, é causa de fadiga e reduz a sensação de prazer associada a atividades recreativas. Para agravar o isolamento, os já solitários tendem a reagir negativamente aos estímulos e a desenvolver impressões depreciativas a respeito das pessoas com as quais interagem.
A avaliação das funções cerebrais por meio de ressonância magnética funcional, mostra que a solidão crônica afeta o córtex pré-frontal, área localizada na parte da frente do cérebro, crucial para a tomada de decisões racionais, como as de planejar o melhor caminho para o trabalho ou a hora de ir ao banco.
O comprometimento do córtex pré-frontal ajuda a entender por que as pessoas que se sentem isoladas correm mais risco de comer mal, fumar, abusar do álcool, ganhar peso e levar vida sedentária.
Estudos com irmãos gêmeos revelam que a solidão crônica não depende exclusivamente das características do meio, mas apresenta aspectos hereditários. É como se existisse um “termostato genético” para a capacidade de lidar com a solidão, ajustado em níveis diferentes em cada um de nós.
Isso não quer dizer que nossos genes nos condenariam à vida solitária, mas que estão por trás da intensidade da dor sentida quando estamos sós.
Com o celular e a internet criamos possibilidades ilimitadas de interações sociais, num único dia podemos entrar em contato com um número de pessoas que nossos antepassados levariam anos para conhecer. Contraditoriamente, o contingente dos que se queixam da falta de alguém com quem compartilhar sentimentos íntimos aumenta em todos os países.”

Fonte: Psicologia do Esporte

Meu conselho é, procure alguém para amar e junto com esse alguém automaticamente irá se socializar, não me venha falar que o amor não existe ou que desistiu dele, ninguém desiste e ninguém esquece dele, não viva numa hipocrisia criada dentro de você pelos fatores externos, lembre-se “A dor é inevitável. O sofrimento é opcional” – Carlos Drummond de Andrade

TER MUITAS AMIZADES NÃO É NECESSARIAMENTE MAIS BENÉFICO DO QUE POSSUIR APENAS UM BOM AMIGO. O MAIS IMPORTANTE É SENTIR-SE SOCIALMENTE CONECTADO”
LOUISE HAWKLEY

“Quem encontra prazer na solidão, ou é fera selvagem ou é Deus.” – Aristóteles

1 Response to "Solidão – O Homem não foi feito para ficar só"

mas então, e se vc está solitário, e sempre sozinho, e não consegue evitar ficar sozinho pq as pessoas simplesmente não estão interessadas em ficar com vc, como vc faz pra evitar ficar mal, adoecer?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Autor

Ativista dos Direitos Humanos (Principalmente LGBTs ); Teólogo;Homeopata; Psicanalista, especialista em Sexualidade Humana, Filosofia, Sociologia;Blogueiro.

Este Blog é protegido por direitos autorais

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 69 outros seguidores

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

homofobia-basta@live.com

Me adicione no FacebooK

Curta a comunidade do Blog no Facebook, Clique na Imagem!

Me adicione no Orkut

Me siga no Twitter

Homofobia Basta!

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Quer ajudar o Blog? Faça sua Doação!

Portal Colaborativo Teia Livre

Igreja Progressista de Cristo

Parceiros de causa

Se você realmente ama seus amigos, defenda-os da Homofobia!

Contradições no discurso do Senador Magno Malta

Vítimas da Homofobia

Mais fotos

Estatísticas do Blog

  • 438,192 Pessoas viram esse Blog
%d blogueiros gostam disto: