Homofobia Basta!

Devido a problemas no formato WordPress estamos mudando para o Blogspot. O Blog agora se chama: O Blog da Sexualidade Humana e tratará não só apenas a temas co-relacionados a Homofobia mas a sexualidade em geral. 

Lá você terá a oportunidade de nos seguir e receber todas as atualizações diariamente :)

 

 

 www.oblogdasexualidade.blogspot.com 

 

 

 

 

Os vereadores de Arraial do Cabo aprovaram por unanimidade, na última terça-feira (16), um projeto de lei para a criação do Dia do Orgulho Heterossexual. A proposta ainda não saiu do papel, mas já causa polêmica. Pelas ruas, teve gente que ficou na dúvida quanto à necessidade de criar a data.

O projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Heterossexual em Arraial do Cabo foi aprovado na Câmara por unanimidade. Seis, dos nove vereadores participaram da sessão. O autor da proposta é o vereador Fabrício Vargas. 

O projeto agora segue para a avaliação do prefeito, que pode sancionar ou não. Mas se depender dos vereadores, a data vai ser comemorada todo terceiro domingo do mês de dezembro. 

O projeto de lei já está na prefeitura, mas segundo a assessoria de imprensa, como o prefeito Andinho está viajando, só deve tomar conhecimento do projeto na sexta-feira (19).

 

Fonte: InterTV

Fonte: Cena G

Revista OUT mostra atletas héteros que apóiam LGBTs 

Atletas héteros, mesmo num meiohomofóbico, estão levantando a bandeirado respeito aos LGBTs.

Esses esportistas são foco de matéria de capa da edição de agosto da revista americana OUT. 

Ben Cohen, do rugby, por exemplo, é casado, tem duas filhas e atua com foco no combate à homofobia no esporte.

Outro exemplo , é o lutador Hudson Taylor, que fundou a organização Athlete Ally ,que tem como objetivo reunir treinadoresatletas jovens, inclusive do Ensino Médio para lutar contra a homofobia.

E não pára por aí. Ainda temos Michael Irvin, que rejeitava o irmão homossexual, mas hoje luta contra a discriminação; Nick Youngquest, tornou o preconceito que ofreu por ser atleta e fazer ensaios sensuais em força para combater a homofobia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Após ser chamado de homofóbico por Ivaldo Rodrigues, líder do PDT na Câmara de Vereadores de São Luís, o pastor Silas Malafaia, presidente da Igreja Assembleia de Deus – Vitória em Cristo, afirmou que vai processar o pedetista e o classificou como “bandido”, “vagabundo” e “idiota”.  

Em resposta ás declarações do pastor, a Câmara de Vereadores de São Luís arquivou um projeto de lei de homenagem á Malafaia e ainda aprovou uma moção de repúdio considerando-o, a partir de agora, “persona non grata” em São Luís.

Leia também: Vereadores de São Luís tentam barrar título a Silas Malafaia

A briga entre Malafaia e Rodrigues começou há aproximadamente duas semanas, quando o pedetista pediu vistas em um projeto de concessão de título de Cidadão Ludovicense apresentado pela vereadora evangélica Rose Sales (PCdoB). A homenagem seria concedida a Malafaia, mas o vereador afirmou que o pastor era homofóbico e não seria digno do título.

Nesta segunda-feira, o pastor reagiu às declarações do pedetista em um programa de uma rádio evangélica. No programa, o líder da Assembleia de Deus – Vitória em Cristo negou ser homofóbico. Ele argumentou que homofobia não é condenar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Para ele, homofobia é agredir, ferir ou matar homossexuais.

Ele está pensando que está falando com um pastor otário. Ele vai ser interpelado judicialmente e eu vou processar esse bandido, esse vagabundo desse vereador aí”, diz advogado

Ao negar ser homofóbico, Malafaia pediu provas de suas “condutas homofóbicas” e depois chamou Rodrigues de vagabundo, bandido e idiota. “Ele está pensando que está falando com um pastor otário. Ele vai ser interpelado judicialmente e eu vou processar esse bandido, esse vagabundo desse vereador aí. Ele está pensando que está lidando com otário. Ele vai ver o que é bom pra tosse. Eu sou homofóbico? Prova que eu sou homofóbico!”, disse o pastor. “Esse idiota não sabe nem o que é homofobia”, complementou.

Nem mesmo a autora do projeto escapou das críticas. Malafaia insinuou que Sales não defendeu com mais ênfase a homenagem por interesses do partido. “Eu estou desconfiado de que ela quer fazer graça pro partido, porque o partido dela apóia essa porcaria (luta de grupos LGBT)”, afirmou Malafaia.

Ainda durante as críticas contra Rodrigues, Malafaia atacou os ativistas e grupos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) em todo o Brasil.


“Eu declaro aqui o que já venho falando há muito tempo. Os grupos mais intolerantes da pós-modernidade são os homossexuais”, disse. “Eu não tenho medo de grupos homossexuais, de ativistas homossexuais. Eu não tenho medo de vereador desprovido de qualquer tipo de conhecimento. O que ser vê aí é um preconceito contra os evangélicos. Essa é que é a verdade. O que é homofobia, meu filho? Você critica pastor, critica padre, critica político, critica presidente, critica ministro, mas, se criticar prática homossexual, é homofóbico”.

As críticas de Malafaia aumentaram o mal estar na Câmara de Vereadores. Nesta terça-feira, alguns vereadores que ainda eram favoráveis à homenagem ao pastor resolveram tirar seu apoio ao projeto de lei. A mesa diretora da Câmara também resolveu aprovar moção de repúdio considerando Malafaia com “persona non grata”.

Além disso, a Procuradoria da Câmara já estuda medidas judiciais contra o pastor pelas declarações. “Um homem que usa um palavreado e age dessa maneira desequilibrada não pode ser um homem de Deus”, rebateu Ivaldo Rodrigues em um programa de rádio de São Luís.

Na sexta-feira, Malafaia estará em São Luís para participar do evento “Vida Vitoriosa para Você”. A organização do evento espera reunir aproximadamente 100 mil pessoas. O líder da Igreja Assembleia de Deus – Vitória em Cristo fará dois cultos na capital do Maranhão.

 

Fonte: IG

Casais de aves do mesmo sexo podem ter relação estável, aponta estudo

Uma nova pesquisa aponta que pares de aves do mesmo sexo têm relacionamentos tão estáveis e duradouros como os casais de pássaros do sexo oposto.

Os cientistas da Universidade da Califórnia Berkeley e da Universidade Saint-Etienne, na França, analisaram o comportamento de mandarins (Taeniopygia guttata), aves canoras que cantam para seus parceiros, em um hábito apontado como algo que fortalece o relacionamento do casal.

Segundo os pesquisadores, pares formados por aves do mesmo sexo cantam e cuidam um dos outro da mesma forma que os casais formados por aves do sexo oposto.

A pesquisadora americana Julie Elie, que liderou o estudo, afirma que os resultados mostram que ‘relacionamentos entre animais podem ser mais complexos do que apenas um macho e uma fêmea que se encontram e se reproduzem’.

Elie e os outros pesquisadores da equipe se interessaram pelo comportamento dos mandarins, pássaros que estabelecem relacionamentos que duram a vida toda e são muito sociais.

Os machos cantam para os parceiros, e os pássaros alisam as penas uns dos outros, além de dividir um ninho. ‘Eu me interesso em como eles estabelecem os relacionamentos e como usam a comunicação acústica em suas interações sociais’, disse Elie à BBC.

‘Minhas observações me levaram a um resultado surpreendente: indivíduos do mesmo sexo também interagem de uma forma associativa, como pares de machos e fêmeas’, afirmou.

O estudo foi publicado na revista especializada Behavioural Ecology and Sociobiology.

Observação

Julie Elie e seus colegas de pesquisa, Clementine Vignal e Nicolas Mathevon, da Universidade de Saint-Etienne, criaram jovens mandarins em grupos do mesmo sexo. Mais da metade dos pássaros formaram pares com outra ave.

A equipe então monitorou os pássaros para captar sinais de que os pares estavam totalmente ligados.

Segundo Elie, pares de aves que formaram casais ficavam lado a lado e faziam ninhos juntos. Eles também se cumprimentavam tocando os bicos.

No estágio seguinte da pesquisa, os cientistas introduziram fêmeas nos grupos de pares de machos. De oito machos que já tinham formado casais do mesmo sexo, cinco ignoraram completamente as fêmeas e continuaram interagindo com o parceiro macho.

Segundo os pesquisadores, as descobertas indicam que, mesmo entre aves, o impulso para encontrar um parceiro é bem mais complicado do que simplesmente a necessidade de reprodução.

‘O relacionamento de um par entre espécies socialmente monogâmicas representa uma parceria cooperativa que pode dar vantagens para a sobrevivência. Encontrar um parceiro social, não importa seu sexo, pode ser uma prioridade’, diz a cientista.

Outros exemplos

Pinguins nas Ilhas Malvinas/Falklands (Arquivo BBC)

 

Além dos mandarins, existem outros exemplos de casais do mesmo sexo entre aves.

Entre gaivotas e albatrozes monogâmicos, este tipo de relacionamento dá às fêmeas a chance de criar filhotes sem um parceiro macho.

‘Fêmeas copulam com machos, e então criam os filhotes juntas’, afirma a pesquisadora Julie Elie.

Em cativeiro, ocorreram pelo menos dois casos de pinguins machos formando relacionamentos longos entre si quando existiam fêmeas disponíveis.

Talvez o caso mais famoso seja o de dois pinguins machos, Roy e Silo, do zoológico do Central Park, de Nova York. Eles formaram um casal e não deram atenção para nenhuma fêmea durante pelo menos um ano.

Eles até construíram um ninho juntos e chocaram um ovo doado a eles por um dos tratadores.

Fonte: BBC Brasil

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, confirmou que vetará polêmico projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal que instituiu o Dia do Orgulho Hétero, uma contra-ofensiva conservadora ao popular Dia do Orgulho Gay. “O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar”, disse o prefeito em entrevista ao jornal Agora São Paulo. Para ele, faz sentido que mulheres, negros e outras minorias raciais que sofreram brutalidades e ofensas tenham seus dias no calendário. “Estas datas, sim, têm sentido, pois estimulam a tolerância e a paz.” O autor do projeto, o vereador Carlos Apolinario (DEM), membro da igreja Assembleia de Deus, entende que o Dia do Orgulho Hétero não incentiva a homofobia.

 

Fonte:  Bahia Notícias 


Receber a notícia de que o filho é homossexual é um acontecimento que pode abalar as estruturas de uma família, por mais que ela se considere aberta às diferenças. É mais fácil lidar com as piadinhas maldosas quando tudo não passa de suspeita e falatório. Mas o cenário muda depois de um irrefutável: “Pai, eu sou gay”.

Para o industriário Ricardo Reder, 48 anos, de Santana do Parnaíba (SP), o fato de Victor ter admitido ser homossexual, há cerca de dois anos, caiu como uma bomba. “Pertenço a uma família tradicional do interior de Minas Gerais, de uma cidadezinha pequena. Imagine, para mim, o que essa descoberta causou”, admite. O garoto, hoje com 18 anos, ficou tão perturbado com a reação dos pais que decidiu buscar abrigo na casa da avó. “Você nunca acha que tem preconceito, até a realidade tomar conta da sua vida”, diz Ricardo.

Preconceito superado

  • Bob Donasl/UOL“Aceitar meu filho incondicionalmente me fez uma pessoa mais feliz”, diz Ricardo

Ele e a mulher, a analista de faturamento Suerda, de 42 anos, descobriram o Grupo de Pais Homossexuais (GPH) na internet e encontraram na figura de Edith Modesto, sua fundadora, o apoio de que precisavam. “Ela nos disse algumas verdades”, confessa Ricardo, que um mês após a declaração do filho resolveu trazê-lo de volta para casa. Edith chamou a atenção do casal para o fato de que uma relação não é feita só de sexo. “Em vez de ficar imaginando seu filho na cama com outro homem, pensa que ele vai ter alguém pra cuidar dele quando estiver doente”, ela disse para Ricardo. Essa visão amorosa fez com que ele repensasse alguns conceitos. “Nunca deixei de amá-lo. E me coloquei no lugar dele, tentando compreender o seu sofrimento.”

Da rejeição inicial até hoje, o relacionamento da família só melhorou. “Fui para a casa da minha avó porque fiquei muito chateado com a reação dos meus pais”, conta Victor. O jovem quis dar um tempo para Suerda e Ricardo, e também para si mesmo. “Queria que sentissem a minha falta”, completa. Ele conta que uma das maiores emoções da vida dele foi quando o pai foi buscá-lo: “Me senti amado, acolhido. Nossa relação, que até então era um pouco distante, melhorou muito. Ele passou a me ver como pessoa, como ser humano. Hoje somos muito unidos”.

O grupo de Edith, pesquisadora e especialista em diversidade sexual, surgiu a partir de uma experiência pessoal. Mãe de sete filhos, ela e o marido passaram pela mesma situação de Ricardo e Suerda quando seu caçula, Marcello, assumiu ser homossexual. “Fiquei muito surpreso quando soube, há vários anos”, conta o professor universitário aposentado Lauro, 81. “Nunca percebi, porque ele não tinha nenhuma característica. O que me importa é que ele é um professor da USP, com doutorado nos Estados Unidos, inteligente, trabalhador e meu amigo”, afirma.

Companheirismo e aceitação

  • Bob DonaskAntonio (direita) sempre desconfiou que Airon fosse gay: “Não me choquei”

Militar e evangélico, Antonio Aparecido dos Santos, 51 anos, de São Paulo, é um exemplo para muita gente que se considera de mente aberta e moderna. Sobre a homossexualidade, ele é objetivo em seu argumento: “Quem somos nós para julgar a natureza alheia?”. Após sempre ter desconfiado que o filho, Airon Wisniewski, de 22 anos, fosse gay, Antonio não se surpreendeu com a confirmação. “Não me choquei nem um pouco e aceitei numa boa”, afirma. O filho se orgulha de ter uma relação de companheirismo com o pai. “Nunca vou me esquecer do momento em que decidi ‘sair do armário’. Ele tirou os óculos, colocou a mão no meu ombro e disse que, independente de qualquer coisa, continuaria a ser meu pai e a me amar muito”, revela, emocionado.

Foi com a mesma convicção que Laurindo Pissioli, de 61 anos, de Frutal (MG), apoiou a filha, a analista de testes Cristiane, 35 anos. “Quando ela era pequena, todo mundo a achava diferente”, lembra. Cristiane diverte-se ao contar que o pai sempre apresenta suas namoradas aos amigos como noras. “O pessoal questionava: ‘Laurindo, como você pode ter uma nora se só tem filhas?’ E ele: ‘É nora porque é mulher da minha filha, oras!’. Todo mundo ria”, afirma Cristiane.

  • Laurindo Pissioli e a filha Cristiane

Agir com naturalidade é a resposta do militar Antonio para quem tenta atingi-lo com preconceitos. Quando alguém diz que o filho dele é “bicha”, sabe o que ele diz? “É bicha, sim. Tem saúde e me dá muita alegria. E aí?”, conta Antonio, que considera o namorado de Airon um filho. “Gosto tanto do Anderson que até dou bronca de pai nele”, diverte-se ele, que, no quartel, aconselha um amigo de trabalho a aceitar a filha homossexual.

Para Ricardo Reder, o caminho da aceitação foi mais doloroso. Hoje ele até permite que Victor leve o namorado para dormir em casa.  “Eu achava que fazia de tudo por meu filho e descobri que estava errado. Hoje posso afirmar que aceitá-lo plena e incondicionalmente me transformou numa pessoa mais feliz e completa.”

 

Fonte: Uol Estilo

O Autor

Ativista dos Direitos Humanos (Principalmente LGBTs ); Teólogo;Homeopata; Psicanalista, especialista em Sexualidade Humana, Filosofia, Sociologia;Blogueiro.

Este Blog é protegido por direitos autorais

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 51 outros seguidores

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

Psicoterapia Online

homofobia-basta@live.com

Me adicione no FacebooK

Curta a comunidade do Blog no Facebook, Clique na Imagem!

Me adicione no Orkut

Me siga no Twitter

Homofobia Basta!

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Quer ajudar o Blog? Faça sua Doação!

Portal Colaborativo Teia Livre

Igreja Progressista de Cristo

Parceiros de causa

Se você realmente ama seus amigos, defenda-os da Homofobia!

Contradições no discurso do Senador Magno Malta

Vítimas da Homofobia

Mais fotos

Estatísticas do Blog

  • 224,780 Pessoas viram esse Blog
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 51 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: